Nutrição simples e prática para seu dia a dia.

A insulina é um hormônio produzido no pâncreas, sua principal função é levar a glicose que está no sangue do ser humano para o interior da célula, com objetivo de ser utilizada como fonte de energia para os processos de funcionamento do nosso corpo.

A principal fonte de estímulo para a produção da insulina é quando há o aumento da quantidade de açúcar no sangue após as refeições.

Então, quando não há produção suficiente ou é ausente, o açúcar não consegue ser levado para o interior das nossas células, dessa forma, se acumula no sangue e na urina.

Sendo assim, isso pode provocar diversos problemas, como retinopatia, insuficiência renal, entre outros.

Também conhecido como resistência à insulina, que é um estado que geralmente antecede os casos de diabetes.

Nesse sentido, quando uma pessoa está com resistência à insulina, é porque o organismo está sendo incapaz de produzir a quantidade suficiente de insulina para o corpo.

Dessa forma, o hormônio não está regulando corretamente a quantidade de glicose no sangue.

O que é Insulina e Resistência à Insulina ?

Além disso, a resistência à insulina pode ser definida como a necessidade de 200 ou mais unidades de insulina por dia para ter o controle glicêmico e evitar a cetose, ou seja, a utilização de gorduras e proteínas para a obtenção de energia quando não há glicose disponível).

Vale informar que a resistência à insulina não apresenta sintomas. Entretanto, deve ser tratada, pois, pode aumentar o risco de diversos problemas de saúde das pessoas.

Continue a ler este artigo e entenda mais sobre a insulina é a resistência à Insulina.

O que é resistência à insulina?

A resistência à insulina é quando a insulina, que é responsável por transportar a glicose do sangue para o interior das células, com o objetivo de produzir energia para o nosso corpo, está com pouco ou até ausente.

Dessa forma, faz com que haja acúmulo de glicose no sangue, podendo dar origem a doenças, por exemplo, a diabetes.

Nesse sentido, a resistência à insulina pode ser desenvolvida através de combinações hereditárias, doenças, hábitos pessoais, por exemplo, obesidade, sedentarismo, aumento de colesterol, entre outros.

Como as pessoas desenvolvem resistência à insulina?

A resistência à insulina pode ser desenvolvida por diversos fatores, em grande parte dos casos surge principalmente por causa da genética, ou seja, é hereditário, dessa forma, pessoas que têm outros familiares que têm ou já tiveram diabetes possuem mais chances de desenvolver resistência à insulina.

Entretanto, além de fatores genéticos, alguns outros fatores podem influenciar e ser as principais causa da resistência à insulina, por exemplo:

  • Obesidade
  • Alimentação desregulada
  • Excesso de carboidratos na dieta
  • Pressão alta
  • Sedentarismo
  • Aumento do colesterol e triglicerídeos
  • Aumento do volume abdominal
  • Síndrome dos ovários policísticos
  • Idade avançada
  • Uso de medicamentos, por exemplo, corticoides e imunossupressores
  • Ingestão em excesso de sódio
  • Uso incorreto de insulina exógena
  • Esteatose hepática (acúmulo de gordura no fígado)
  • Esses são os principais fatores que podem influenciar no desenvolvimento da resistência à insulina.

Quais são os principais sintomas da resistência à insulina?

Inicialmente a resistência à insulina não apresenta muitos sintomas.

Entretanto, com um tempo diversos sintomas são apresentados, os principais sintomas são:

  • Fraqueza e fadiga
  • Inchaço e muita flatulência
  • Constipação ou diarreia
  • Náuseas e vômitos
  • Pressão alta
  • Candidíase
  • Dificuldade de concentração
  • Ganho ou perda de peso de forma rápida, principalmente na região do abdômen
  • Além de tudo, o desenvolvimento de diabetes.

Esses são os principais sintomas apresentados por quem possui resistência à insulina, se você possui alguns deles é importante que você procure um médico para analisar e ter algum diagnóstico.

Quais são os exames que podem ajudar a identificar a resistência à insulina?

Como citado anteriormente, não é tão comum a resistência à insulina apresentar sintomas, dessa forma, para identificar é necessário realizar alguns exames.

Os principais exames são: teste oral de intolerância à glicose (TOTG), exame de glicose de jejum e índice de HOMA.

Veja também:

Dieta flexível: Um guia detalhado para iniciantes

Dieta Low Carb: Alimentos que você deve evitar

Teste oral de intolerância à glicose (TOTG):

O teste oral de intolerância à glicose também é conhecido por exame da curva glicêmica, pode ser realizado através da medição do valor da glicose após o paciente ingerir aproximadamente cerca de 75 g de um líquido bastante doce.

Nesse sentido, a interpretação desse exame poderá ser realizada após 2 horas.

Os significados dos dados poderão ser da seguinte forma:

  • Normal: o que possuir um valor de 140 mg/ dl;
  • Resistência à insulina: o que possuir entre 140 e 199 mg/ dl
  • Diabetes: possuir igual ou superior a 200 mg/ dl.

Vale informar que a medida que a resistência à insulina piora, além da glicose estar aumentada depois das refeições, também passa a estar aumentada em jejum, pois, o fígado realiza um processo na tentativa de compensar a falta de açúcar dentro das células.

Dessa forma, também é possível descobrir através do exame de glicose em jejum.

Exame de glicose de jejum

O exame de glicose de jejum deve ser feito com 8 a 12 horas de jejum, dessa forma, colhem uma amostra de sangue do paciente e depois é avaliado.

Nesse sentido, os valores podem ter os seguintes significados:

  • Normal: ser inferior a 99 mg/ dl
  • Glicemia de jejum alterada: possuir entre 100 mg/ dl e 125 mg/ dl
  • Diabetes: igual ou superior a 126 mg/ dl.

Vale informar, que no período de jejum os níveis de glicose tendem a está controlado, porque o organismo estimula o pâncreas a produzir quantidades maiores de insulina, com objetivo de compensar a resistência à sua ação.

O que causa a resistência à insulina?

Índice de HOMA

O índice de HOMA é a realização de um cálculo para avaliar a relação entre a quantidade de açúcar e quantidade de insulina no sangue do paciente.

Os valores referenciais são:

  • Valor de referência do HOMA-IR: inferior a 2,15
  • Valor da referência do HOMA-Beta: entre 167 e 175

Vale informar que esses valores podem variar de laboratório, além disso, se a pessoa estiver com o Índice de Massa Corporal (IMC) muito alto, deve ser interpretado por algum médico.

O que a resistência à insulina pode causar?

A resistência à insulina apresenta um grande papel no desenvolvimento da síndrome metabólica, e pode incluir qualquer ou até mesmo todas as complicações abaixo:

  • Hipertensão
  • Aumento da produção de insulina
  • Diabetes tipo 2 ou intolerância à glicose
  • Hipertensão
  • Aumento dos colesteróis ruins (por exemplo, o colesterol LDL, VLDL, etc.)
  • Aumento dos triglicerídeos
  • Diminuição do colesterol bom (HDL-c)
  • Aumento de coagulação

Quais são as possíveis formas de tratamento da resistência à insulina

Para tratar a resistência à insulina, os passos se resumem principalmente em perda de peso, realização de uma dieta e atividades físicas, além disso, é importante monitorar os níveis de glicemia.

Como saber se você é resistente à insulina?

Além disso, em alguns casos com risco de diabetes, o médico poderá prescrever medicação como a metformina, que é um remédio utilizado para controlar a produção da glicose pelo fígado e também aumentar a sensibilidade à insulina, por causa do aumento do uso de glicose pelos músculos.

Dessa forma, se você apresenta resistência à insulina ou alguns sintomas, procure algum médico para começar o tratamento.

Além disso, procure algum educador físico e nutricionista, para realizar um acompanhamento, para você começar uma dieta e comece a praticar exercícios físicos, com objetivo de melhora e para que você não desenvolva outras patologias.

Você se inscreveu com sucesso em Nutricionando
Bem-vindo de volta! Você fez login com sucesso.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Verifique seu e-mail para obter o link mágico para entrar.