Nutrição simples e prática para seu dia a dia.

Os laticínios não são estranhos à polêmica. No entanto, algumas pessoas pensam ser inflamatório, enquanto outros afirmam ser anti-inflamatório. Então, esse artigo explica porque algumas pessoas associam laticínios à inflamação e se existem evidências para apoiar isso.

Inflamação o que é?

A inflamação é como uma faca de dois gumes, uma pequena quantidade é boa, mas em excesso pode ser prejudicial a longo prazo. Além disso, a inflamação é a resposta natural do seu corpo a patógenos como vírus e bactérias ou ferimentos como arranhões e cortes.

No entanto, em resposta a estes gatilhos inflamatórios, seu corpo emite mensageiros químicos especiais, como bradicinina, histamina e prostaglandinas, que montam uma resposta imune para afastar patógenos ou reparar e curar tecidos estragados.

Dessa forma, a resposta inflamatória poderá ser crônica ou aguda, com inflamação aguda durando muitos dias e inflamação crônica durando mais de seis semanas.

Mas, embora a inflamação aguda seja a primeira linha de defesa do seu corpo contra infecções ou lesões, a inflamação crônica poderá ser ofensivo, danificando os órgãos e tecidos do seu corpo.

A inflamação crônica poderá ser causada por meio de uma lesão ou infecção não tratada, uma doença autoimune, como a artrite reumatóide, ou seus hábitos de vida (principalmente sua dieta).

Os laticínios e seus componentes

Os alimentos lácteos são feitos a partir do leite de mamíferos, como cabras e vacas, e incluem manteiga, queijo, kefir, iogurte e sorvete. No entanto, leite e produtos lácteos têm vários importantes nutrientes, como:

  • Proteína: a proteína fornecida por meio do leite e do iogurte é facilmente digerida e absorvida por meio do corpo.
  • Cálcio: o queijo, o leite e o iogurte são ricos em cálcio, um mineral fundamental para o bom funcionamento dos músculos e nervos, além de ossos saudáveis.
  • Vitamina D: vários países fortificam o leite de vaca com vitamina D, necessária para o controle da inflamação, a saúde óssea e função imunológica.
  • Probióticos: kefir e iogurte têm probióticos, bactérias benéficas que desempenham a saúde imunológica e intestinal.
  • Vitaminas B: o leite e o iogurte são boas fontes de vitamina B-12 ou riboflavina e vitamina B-2, que ajudam na função nervosa e na produção de energia.
  • Ácido linoléico conjugado: os produtos lácteos são uma das fontes mais ricas de CLA, um ácido graxo associado à perda de gordura e demais benefícios à saúde.

Aliás, os laticínios e o leite integral são ricos em gordura saturada, e é por isso que estes produtos causam inflamação. Embora as gorduras saturadas não causem necessariamente inflamação, elas podem agravar a inflamação pré-existente, elevando a absorção de moléculas inflamatórias denominadas lipopolissacarídeos.

No entanto, estudos observacionais associaram também o consumo de leite e produtos lácteos a um risco elevado de acne, uma doença inflamatória, em adolescentes e adultos jovens.

Aliás, as pessoas podem sentir diarreia, inchaço e cólicas ao consumir produtos lácteos e vincular estes sintomas à inflamação. Embora esses sintomas possam estar relacionados à incapacidade de digerir o açúcar do leite denominado lactose.

Independentemente disso, varias pessoas evitam leite e laticínios, pois, temem que causem inflamação. Então, podemos resumir neste tópico que o leite e seus derivados têm vários nutrientes significativo. Como, por exemplo, proteínas, vitaminas e minerais. No entanto, os laticínios têm sido associados ao aumento da inflamação e a certas condições inflamatórias, como, por exemplo, a acne.

O consumo de Laticínios na Inflamação quais os efeitos

Processos inflamatórios crônicos estão aliados ao crescimento de distúrbios metabólicos como doenças cardiovasculares, obesidade e diabetes tipo 2 (DM2). No entanto, o estado inflamatório de um indivíduo é tomado por meio de fatores ambientais, sendo a alimentação o fator modificável mais significativo na prevenção de doenças crônicas.

Discussões sobre laticínios e seus efeitos na inflamação permanecem frequentes, mas os resultados não são claros. Nessa perspectiva, o objetivo do estudo avaliou os efeitos do consumo de produtos lácteos (iogurte, leite e queijo) ou proteínas do leite na inflamação.

Os autores fizeram uma revisão sistemática da literatura, que inseriu ensaios clínicos randomizados e estudos observacionais.

As amostras para esses estudos incluíram indivíduos com idade superior a 18 anos, excluindo indivíduos com as seguintes condições inflamatórias: artrite reumatóide, doença de Crohn, esclerose múltipla, câncer e lúpus.

Ao todo, a revisão incluiu 27 estudos, dos quais 19 estudaram produtos lácteos e 8 estudaram proteínas do leite.

Em adultos obesos e acima do peso o consumo da proteína do leite

Nesse contexto, três estudos consideraram a ingestão de whey protein ou caseína em indivíduos obesos que apresentavam também hipertensão arterial ou hipercolesterolemia.

No entanto, o grupo controle não ingeria proteína do leite ou qualquer fonte alimentar proteica. Portanto, nenhum dos estudos encontrou diferenças significativas nos marcadores inflamatórios IL-6, PCR, VCAM e ICAM.

Em adultos saudáveis o consumo de laticínios

Para essa população, foram considerados 2 ensaios clínicos feitos em indivíduos de ambos os sexos.

Primeiro, um grupo durou 1 mês e as amostras foram divididas em dois grupos: um grupo recebeu de 2 a 3 porções de laticínios integrais ao dia e o outro grupo excluiu esses alimentos de sua dieta.

Por outro lado, o segundo estudo comparou a ingestão de iogurte com baixo teor de gordura e produtos de soja ao longo de 9 semanas.

Assim, os resultados de ambos os estudos mostraram que as comparações entre os dois grupos não mostraram diferenças nos marcadores inflamatórios proteína TNF-a e C reativa (PCR).

O consumo de laticínios em adultos obesos e acima do peso

Para indivíduos não eutróficos, foram feitos quatro tentativas. No entanto, três dos participantes foram diagnosticados com síndrome metabólica e consumiram de três a cinco porções de laticínios ao dia.

Além disso, o quarto estudo foi feito em indivíduos diabéticos (DMT2). Que bebiam 240ml de leite ao dia ou o mesmo número equivalente de bebida de soja.

Como resultado, os três principais produtos lácteos não diferiram significativamente entre o consumo de produtos lácteos. Com muitos percentuais de gordura (semi-desnatado, integral ou desnatado) nos marcadores inflamatórios.

Aliás, um dos estudos relatou redução dos níveis de TNF-α, PCR, IL-6 e elevou os níveis de adiponectina depois de 84 dias de intervenção.

O consumo da proteína do leite em adultos saudáveis

Para a proteína do leite, foram analisados dois ensaios clínicos. O primeiro usou 5g por dia de whey protein por duas semanas, enquanto o grupo controle usou edulcorante.

Mas, outro estudo analisou a suplementação com 25 g por dia de proteína do leite como intervenção por seis semanas em comparação ao grupo suplementado com proteína de soja.

No entanto, o perfil inflamatório não se alterou. Aliás, esse último estudo também avaliou metabólitos de óxido nítrico.

Conclusão

A inflamação é a resposta natural do seu corpo à lesão ou infecção. Mas, embora a inflamação aguda seja precisa para curar e proteger o corpo, a inflamação crônica poderá sair pela culatra e danificar seus órgãos e tecidos.

Pensa-se que o leite integral e os produtos lácteos integrais sejam inflamatórios, pois, têm gordura saturada, têm sido associados ao crescimento de acne e podem causar problemas estomacais e inchaço em pessoas com intolerância à lactose.

Embora ainda haja muito a ser aprendido sobre o papel individual dos laticínios na inflamação, a grande parte das pesquisas sugere que os laticínios como um todo não promovem a inflamação, na verdade, podem reduzir ela.

Você se inscreveu com sucesso em Nutricionando
Bem-vindo de volta! Você fez login com sucesso.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Verifique seu e-mail para obter o link mágico para entrar.