Nutrição simples e prática para seu dia a dia.

Um nutricionista precisa entender o valor nutricional de cada alimento para poder criar e monitorar a dieta de um paciente da melhor forma possível. Mas, isso não significa que os profissionais tenham que memorizar todas essas informações.

As Tabelas de Composição de Alimentos e Dietas se tratam de uma ferramenta importante para auxiliar o nutricionista. Pois, funcionam como uma espécie de manual que possui informações sobre a composição de cada um dos alimentos, apresentando a concentração de nutrientes e calorias que ele possui.

Da mesma forma que as necessidades nutricionais de todos diferem, fazer ajustes nos alimentos e seus grupos alimentares é muito importante para obter equilíbrio na dieta. Portanto, com acesso a esses bancos de dados, você pode obter informações mais detalhadas sobre um alimento em específico e verificar se ele é ideal para a dieta do paciente.

Mas você conhece as tabelas alimentares mais usadas? Neste artigo reunimos mais detalhes sobre as principais Tabelas de Composição de Alimentos e Dietas que auxiliam os profissionais de nutrição na elaboração das dietas dos pacientes. São elas: a Tabela de Composição Alimentar (TACO), Tabela de Composição Nutricional dos Alimentos Consumidos no Brasil e a Tabela Brasileira de Composição de Alimentos (TBCA).

Tabela de Composição Alimentar (TACO)

A Tabela de Composição de Alimentos (TACO) teve a sua criação no ano de 2004 por meio de uma parceria firmada entre a UNICAMP e o Governo Federal. No entanto, a tabela teve a sua quarta edição atualizada no ano de 2011. Além disso, ela é composta por 597 itens, que incluem: verduras, grãos, frutas, gorduras, leites, óleos, bebidas, miscelâneas. Além de muitos outros que auxiliam o nutricionista na gestão da dieta de seus pacientes.

Os alimentos mais consumidos no Brasil e sua respectiva composição e conteúdo nutricional encontram-se nesta tabela.

As Tabelas de Composição de Alimentos e Dietas auxiliam os nutricionistas a manter o controle de qualidade dos alimentos e a desenvolver orientações dietéticas para casos muito específicos. Além disso, a tabela também serve como referência para cálculo balanceado de tabelas nutricionais dietéticas.

Tabela de Composição Nutricional dos Alimentos Consumidos no Brasil

A criação da Tabela de Composição Nutricional dos Alimentos Consumidos no Brasil aconteceu os anos de 2008 e 2009 pelo Instituto Brasileiro de Pesquisa e Estatística em colaboração com o Ministério da Saúde. Esta tabela contém informações nutricionais de mais de 2.000 alimentos consumidos pela população brasileira.

Além das gorduras, minerais e vitaminas presentes, a tabela lista ingredientes como, por exemplo, energia, macronutrientes e fibras. Contudo, vale notar que a validação desses dados passou por uma equipe de nutricionistas.

Com esta tabela, o nutricionista pode verificar o valor nutricional dos alimentos e preparar uma dieta seguindo as necessidades específicas de cada paciente.

Tabela Brasileira de Composição de Alimentos (TBCA)

A Tabela Brasileira de Composição de Alimentos (TBCA), que desde o ano de 2013, está com o seu desenvolvimento feito em um colaboração da Rede Brasileira de Dados de Composição de Alimentos (Brasilfoods) junto com a Universidade de São Paulo (USP) e a Food Research Center (FoRC/CEPID/FAPESP).

A TBCA possui duas bases de dados diferentes, uma contendo dados analíticos brutos relacionados a alimentos da biodiversidade brasileira e alimentos regionais. Por sua vez, a outra opção, possui informações sobre o teor de ingredientes dos alimentos mais consumidos no Brasil. Portanto, o seu intuito é avaliar o consumo nutricional e facilitar o planejamento das refeições.

As informações do banco de dados TBCA foram obtidas por meio de análise direta de alimentos no laboratório da Departamento de Alimentos e Nutrição Experimental da Faculdade de Ciências Farmacêuticas – USP, bem como por meio de compilações de informações de dados de análise de alimentos brasileiros em publicações, teses, dissertações, de sados internos de laboratórios diferentes, relatórios analíticos e outros formulários fornecidos pela indústria alimentícia.

A forma como esses dados estão dispostos na TBCA engloba múltiplos aspectos. Como, por exemplo, a descrição completa do alimento ou produto, métodos analíticos, plano de amostragem, qualidade dos procedimentos analíticos, etc. Então, com posse dessas informações, elas são compiladas com a ajuda de formulários padronizados. O que resulta em um documento bem detalhado sobre os alimentos e procedimentos de amostragem e análise.

Você sabe como ler as Tabelas de Composição de Alimentos e Dietas?

A disposição dos elementos da Tabela Nutricional também é padronizada pela Anvisa para facilitar a leitura e comparação. Basicamente, a tabela é dividida em três áreas. Que, portanto, são as seguintes: Porção, Nutrientes e Percentual de valor diário. Entenda melhor:

Porção

Esta é a quantidade média de alimentos que normalmente deve ser ingerida todos os dias para promover uma dieta saudável.

Nutrientes

  • Valor Energético ou Calorias: o valor energético se trata do primeiro item da tabela nutricional e muitas vezes é o que mais chama a atenção dos consumidores. Já as calorias são a energia que nosso corpo produz a partir de macronutrientes (carboidratos, proteínas e gordura total);
  • Carboidratos: os alimentos possuem este componente que tem o papel de fornecer a energia para todas as células do corpo;
  • Proteínas: você pode obter as proteínas em alimentos de origem vegetal ou animal. Além disso, elas ajudam a formar hormônios e enzimas que dão estrutura e função aos tecidos, células e órgãos do corpo e compõem cerca de 17% do corpo humano;
  • Gorduras Totais: a gordura é uma das principais fontes de energia do corpo e ajuda a absorver as vitaminas A, D, E e K. Além disso, elas fazem parte da composição do cérebro. No entanto, as gorduras totais se tratam da soma de todos os tipos de gordura em um alimento. Isso inclui: gorduras saturadas, insaturadas, poli-insaturadas e trans;
  • Gorduras Saturadas: além de alimentos vegetais como coco (ou MCT) e óleo de dendê, também são encontrados em alimentos de origem animal, como carnes gordurosas, leite e derivados;
  • Gorduras Trans: evite essa gordura! Você pode encontrá-la em grande quantidade em alimentos industrializados como creme vegetal, margarina, biscoitos, sorvetes, assados, salgadinhos (salgadinhos prontos), frituras e salgadinhos que utilizam gorduras vegetais hidrogenadas em seu preparo;
  • Fibra Alimentar: as fibras alimentares são divididas em solúveis e insolúveis. Portanto, as fibras solúveis controlam a absorção de carboidratos pelo corpo e ajudam a prevenir a formação de gordura. No entanto, no caso das fibras insolúveis, não tem absorção, mas desempenha um papel importante no funcionamento do sistema digestivo;
  • Sódio: você pode encontrá-lo no sal de cozinha e em quase todos os alimentos. No entanto, ele é responsável por um papel importante na hidratação das células, mas o seu consumo deve ser moderado;
  • Vitaminas e minerais: as vitaminas, como C, B12 e D, e os minerais, como cálcio, ferro, fósforo e magnésio, são os famosos micronutrientes essenciais para a manutenção das funções do organismo;

Percentual de valor diário

Expresso como "VD", indica a Ingestão Diária Recomendada para cada item para nutrição em adultos e indivíduos saudáveis. No entanto, esses valores foram compilados pelo Ministério da Agricultura com base em dados da Organização Mundial da Saúde, da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura e do Instituto de Medicina, da Academia Nacional de Ciências dos EUA.

De acordo com a Anvisa, existem duas categorias de nutrientes: os de declaração obrigatória e declaração opcional. Portanto, como o nome sugere, este último fica a critério de cada fabricante. No entanto, todos eles recomendam valores de ingestão diária (VD).

Você se inscreveu com sucesso em Nutricionando
Bem-vindo de volta! Você fez login com sucesso.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Verifique seu e-mail para obter o link mágico para entrar.