Nutrição simples e prática para seu dia a dia.

O zinco é um mineral muito importante para a manutenção da saúde, pois está envolvido em mais de 300 reações químicas no corpo. Dessa forma, quando está em pequenas quantidades no organismo, pode causar algumas alterações, principalmente no sistema imunológico e na produção de hormônios.

As principais fontes de zinco são os alimentos de origem animal, como ostras, camarão, carne bovina, frango, peixe e fígado. Gérmen de trigo, grãos integrais, nozes, cereais, vegetais e tubérculos também são ricos em zinco, mas em geral, frutas e vegetais, embora contenham zinco, não são as melhores fontes porque não absorvem muito bem o mineral.

Benefícios para a saúde do zinco

Existem várias razões para justificar a importância de comer alimentos ricos em zinco, mas algumas das mais importantes incluem:

  • Ajuda o cabelo a ficar macio e brilhante e combate a queda de cabelo;
  • Ajuda a absorção da vitamina A;
  • Ajuda a tratar a depressão;
  • estimular a função da tireóide;
  • prevenir a infecção, pois atua no sistema imunológico;
  • prevenir diabetes tipo 2;
  • promover a cicatrização de feridas;
  • prevenir o aparecimento de câncer;
  • Ajuda a tratar a acne;
  • Previne o câncer e o envelhecimento por ter propriedades antioxidantes.

No entanto, uma vez que está envolvido na maioria das reações do corpo, o zinco também tem outros papéis importantes, especialmente nos níveis neuronal e hormonal.

Como ingerir zinco

O zinco é um mineral que não é produzido pelo corpo humano e precisa ser consumido por meio da alimentação, indicando que a ingestão diária recomendada de zinco para mulheres adultas é de 9 mg, até 11 mg para homens adultos, e a ingestão diária recomendada para gestantes e lactantes. , 12 mg .

Alimentos com os níveis mais altos de zinco incluem alimentos de origem animal, como ostras, carne bovina e fígado, mas alguns alimentos à base de plantas também são boas escolhas, como amêndoas e sementes de abóbora. Portanto, uma dieta contendo tais alimentos é suficiente para manter a regulação dos níveis de zinco.

No entanto, quando há deficiência de zinco no organismo, a suplementação de zinco pode ser necessária além da alimentação, mas é muito importante ter a orientação de um médico ou nutricionista nesse caso, pois o excesso de zinco também pode acabar sendo prejudicial.

Como saber se tenho deficiência de zinco?

Pessoas saudáveis ​​que comem uma variedade de alimentos raramente são deficientes em zinco. No entanto, a única maneira de determinar se seu corpo é deficiente em zinco é fazer um exame de sangue ou urina para quantificar a quantidade desse mineral. O valor de referência para o zinco no sangue é de 70 a 120 ug/dL, e na urina pode chegar a 900 ug/g.

A deficiência de zinco também pode causar os seguintes sintomas:

cicatrização retardada;

unhas quebradiças, quebradiças e esbranquiçadas;

Cabelos secos e quebradiços;

perda de cabelo;

Alterações no sabor.

Além de uma dieta deficiente em zinco, as deficiências desse mineral são mais comuns em pessoas que estão em hemodiálise ou que apresentam diarreia grave ou persistente. Alguns medicamentos também podem causar essa deficiência, incluindo: por exemplo: anti-hipertensivos, diuréticos tiazídicos, omeprazol e bicarbonato de sódio.

Efeitos sobre a saúde do excesso de zinco

Assim como a deficiência é prejudicial, o excesso de zinco também pode ser prejudicial à saúde, causando sintomas como fadiga, febre e dor de estômago. Algumas condições que podem causar esse aumento são a suplementação excessiva de zinco, como doenças como insuficiência cardíaca crônica, osteossarcoma ou aterosclerose.

Benefícios do zinco para as pessoas  Fitness

Durante a atividade física, ocorrem algumas adaptações fisiológicas que requerem ajuste físico. Por outro lado, a atividade física extenuante pode levar à formação excessiva de espécies reativas de oxigênio, como os famosos radicais livres. Esses elementos estão relacionados ao metabolismo energético. Se não manuseado adequadamente, esse oxigênio pode causar danos nos tecidos e células e prejudicar o desempenho do atleta.

Para prevenir ou reduzir os efeitos do estresse oxidativo do exercício extenuante, o corpo está equipado com vários mecanismos de defesa antioxidantes. Vários micronutrientes desempenham um papel importante nesses mecanismos, incluindo o zinco. Portanto, o zinco é um nutriente com importantes funções biológicas nos mecanismos de proteção antioxidante.

O papel do zinco no tratamento de distúrbios neurológicos

O zinco é um elemento ativamente envolvido em processos neurais. Em nosso sistema nervoso central, as vesículas sinápticas nos neurônios contêm altas concentrações de zinco.

O fato de a substância estar presente nos neurônios sugere que ela desempenha um papel crucial no sistema nervoso.

Também é importante destacar que o zinco está envolvido nos processos de desenvolvimento cognitivo. A pesquisa científica neste campo tem demonstrado suas propriedades e importância na neurogênese, sinapses e migração neural. Portanto, as deficiências de substâncias podem ser responsáveis ​​por problemas de desenvolvimento cognitivo, especialmente em crianças.

Zinco: seu aliado na saúde do coração

Esta substância é distribuída por todo o corpo e também desempenha um papel importante na manutenção da saúde do coração.

O estresse oxidativo que ocorre nas células quando as células não conseguem processar os radicais livres pode causar problemas cardíacos. Numerosos estudos apontam para esse estresse levando ao desenvolvimento de doenças cardíacas e até câncer.

A melhor maneira de reduzir os efeitos nocivos dos radicais livres e evitar esses problemas é consumir alimentos e antioxidantes.

Portanto, o zinco, que possui importantes efeitos antioxidantes, tem a capacidade de proteger e manter a saúde do coração.

O papel do zinco no tratamento do diabetes

Outra característica importante do zinco é o seu papel no tratamento da diabetes. Baixos níveis de zinco são comuns em pessoas com diabetes não controlada.

Alterações nos níveis de zinco, juntamente com aumentos nos lipídios plasmáticos, podem representar um risco vascular associado que pode levar a danos irreversíveis.

Estudos têm demonstrado que pacientes com diabetes tipo 2 tratados com zinco apresentam redução das concentrações de colesterol total e triglicerídeos, o que representa uma redução no risco cardiovascular.

É importante notar que as pessoas com diabetes devem prestar atenção especial à alimentação e suplementos. Portanto, deve-se buscar apoio de profissionais de saúde e nutricionistas.

Você se inscreveu com sucesso em Nutricionando
Bem-vindo de volta! Você fez login com sucesso.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Verifique seu e-mail para obter o link mágico para entrar.